28 de abril é o “Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho”, instituído em razão de um acidente que matou 78 trabalhadores em uma mina nos Estados Unidos em 1969.

Em todo o mundo ocorrem centenas de milhares de acidentes do trabalho a cada ano. No Brasil, segundo dados oficiais, em 2012 foram registrados 705 mil acidentes de trabalho, gerando 14.755 casos de invalidez permanente e 2.731 mortes.

Contudo, esses números representam apenas uma pequena parte da realidade, pois se referem unicamente aos trabalhadores vinculados à Previdência, não incluindo os servidores públicos estatutários. Além disso, não consideram os milhões de trabalhadores informais e os autônomos.

A legislação brasileira determina a notificação obrigatória das ocorrências de acidentes e doenças do trabalho pelas empresas, no entanto elas descumprem sistematicamente essa exigência, principalmente quando se tratam de doenças do trabalho.

Adoecimento gera riscos no ambiente de trabalho

Nos últimos anos vem aumentando significativamente a ocorrência de doenças mentais entre os trabalhadores das mais diversas atividades econômicas. Essa situação se dá em razão da exigência cada vez maior por ganhos de produtividade. Os mecanismos utilizados pelas empresas para cobrança de metas e outras formas de controle da produção caracterizam-se, normalmente, como prática de assédio moral e violência organizacional, produzindo grande sofrimento mental levando frequentemente a quadros de incapacidade para o trabalho.

O Brasil gasta bilhões em recursos públicos com assistência médica, benefícios por incapacidade temporária ou permanente e pensões por morte de trabalhadores vítimas das más condições de trabalho. Além disso, tais acidentes e adoecimentos afetam a vida dos trabalhadores não apenas do ponto de vista econômico, mas também social e profissionalmente.

Assédio moral no trabalho: uma prática que adoece e mata

O assédio moral no trabalho é um fenômeno observado em diversos países. Embora não seja uma prática nova ele ganha maior dimensão a partir dos anos 90 com a implementação de novas formas de gestão do trabalho e intensificação da cobrança por produtividade. Como consequência, há o aumento de diversas formas de adoecimento mental, levando os trabalhadores algumas vezes ao suicídio.

Marie France Hirigohyen, psiquiatra francesa, pela primeira vez usou a terminologia a definindo como “toda e qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, comportamento, atitude…) que atente, por sua repetição ou sistematização, contra a dignidade ou a integridade psíquica ou física de uma pessoa, ameaçando seu emprego ou degradando o clima de trabalho.”

Para Hainz Leymann, médico alemão pioneiro no tema que já 1984 desenvolvia seus estudos “assédio moral é a deliberada degradação das condições de trabalho através do estabelecimento de comunicações não éticas (abusivas) que se caracterizam pela repetição por longo tempo de duração de um comportamento hostil que um superior ou colega (s) desenvolve (m) contra um indivíduo que apresenta, como reação, um quadro de miséria física, psicológica e social duradoura.”

Nos últimos 20 anos houve muitos avanços na compreensão do tema e vários trabalhos acadêmicos passaram a identificar outras práticas não enquadradas exatamente como assédio moral, mas trazendo igualmente sofrimento e outras consequências danosas aos trabalhadores. O conceito tem sido ampliado para assédio organizacional, assédio moral coletivo, violência organizacional, violência psicológica no trabalho, caracterizando-o como instrumento de gestão. As empresas o utilizam como forma de pressão por aumento de produtividade omitindo-se e até justificando a prática de seus gestores, chegando muitas vezes a estimula-las.

Cobranças insistentes por cumprimento de metas inatingíveis, estímulo à competição exacerbada entre colegas, divulgação de rankings, exposição vexatória de trabalhadores por não atingimento de níveis produtividade impostos, são algumas situações recorrentes.

Centrais se manifestam por legislação contra violência organizacional

O Brasil, diferentemente de diversos países, não tem legislação federal para coibir essas práticas, em que pese vários projetos de lei tramitar atualmente no Congresso Nacional. Por isso em 2014 as centrais sindicais elegeram o Assédio Moral e a Violência Organizacional como motes das manifestações do “28 DE ABRIL – DIA MUNDIAL EM MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DE ACIDENTES E DOENÇAS DO TRABALHO”, com o objetivo de pressionar os parlamentares a criar legislação com essa finalidade.

Veja os conteúdos de alguns projetos de lei sobre assédio moral em tramitação no Congresso:

PL 2.369/2003 de autoria do deputado federal Mauro Passos (PT/SC) institui indenização a ser paga pela empresa quando o trabalhador for vítima de assédio moral além de obrigar o custeio de todo tratamento se for verificado dano à saúde. Estabelece também obrigatoriedade de medidas educativas e disciplinadoras, sujeitando a empresa a multa de R$ 1.000 por empregado caso não sejam feitos investimentos em prevenção.

PL 80/2009 do senador Inácio Arruda (PCdoB/CE) visa impedir, por determinado período de tempo, que empresas condenadas por práticas de coação moral no ambiente de trabalho venham a licitar com a Administração Pública, propondo a inclusão na Lei 8.666/1993 (Lei de Licitações) de dispositivo criando o “Cadastro Nacional de Proteção contra a Coação Moral no Emprego”.

PLS 121/2009 de autoria do senador Inácio Arruda (PCdoB/CE) inclui o assédio moral entre as condutas vedadas aos servidores públicos, listadas no artigo 117 da lei que dispõe sobre o Regime Jurídico dos Servidores Públicos da União, das Autarquias e das Fundações Públicas Federais (Lei 8.112/1990). No artigo 132 desta lei, o projeto inclui a penalidade de demissão ao servidor que infringir a regra de vedação à prática do assédio moral.

PL 7.202/2010 dos deputados federais Ricardo Berzoini (PT/SP), Pepe Vargas (PT/RS), Jô Moraes (PCdoB/MG), Paulo Pereira da Silva (SDD/SP) e Roberto Santiago (PSD/SP) propõe alteração do texto do inciso II alínea “b” do artigo 21 da Lei nº 8.213/1991 (Lei Previdenciária), para incluir a ofensa moral como acidente de trabalho.

PL 6.757/2010 do deputado federal Vicentinho (PT/SP) propõe o acréscimo da alínea “h” no Art. 483 da Lei 5.452/1943 (Consolidação das Leis do Trabalho) para incluir a coação moral entre os atos motivadores da solicitação da rescisão de contrato por justa causa pelo trabalhador contra a empresa.

PL 6.757/2010 do deputado federal Vicentinho (PT/SP) propõe o acréscimo da alínea “h” no Art. 483 da Lei 5.452/1943 (Consolidação das Leis do Trabalho) para incluir a coação moral entre os atos motivadores da solicitação da rescisão de contrato por justa causa pelo trabalhador contra a empresa.

Esses projetos, uma vez transformados em legislação, em muito contribuirão para a eliminação do assédio moral e de outras formas de violência psicológica promovidas pelas empresas, adoecendo e até matando trabalhadores.

Fonte: Cut Nacional

Em assembleia realizada nessa quarta-feira, 09, com mais de 200 participantes, os trabalhadores e trabalhadoras nas empresas terceirizadas de Asseio, Conservação e Indústria aprovaram a proposta negociada pelo Sindilimpe e os patrões na Campanha Salarial.

Com a aprovação, os trabalhadores vão receber um reajuste de 9,904% nos salários. Se a convenção for homologada no MTE até o dia 17 de abril, a categoria vai receber os novos salários no próximo pagamento.

Já os valores retroativos, desde janeiro, serão pagos em duas vezes, nas folhas de pagamentos referentes aos meses de abril e maio.

“É um reajuste importante, acima da inflação do período. É importante frisar que isso foi conquistado com muita luta da categoria e da comissão de negociação dos trabalhadores que negociou com os patrões”, destacou o presidente do Sindilimpe, Ailton Dias, o Zuzu.

Clique aqui e confira a tabela com os valores dos salários com o reajuste conquistado.

Auxílio alimentação

Com relação ao benefício do auxílio-alimentação ficou da seguinte forma:

Área Industrial – R$ 300. Esse valor já deve estar sendo pago desde janeiro de 2014. Se o trabalhador não estiver recebendo esse valor, deve procurar o Sindilimpe;

Área geral – R$ 200 com desconto de R$ 7 – A conquista é que não pode mais ter descontos de 20% ou 15%. E se tiver feriado também não pode haver descontos;

Trabalhadores que atuam na jornada 12×36 – R$ 168 com desconto de R$ 5,88;

Outro conquista importante é que é que a partir de agora, os trabalhadores e trabalhadoras não vão perder o benefício da cesta básica em caso de falta justificada ao trabalho. Mas para isso, quem faltar tem que apresentar o atestado à empresa. Caso a empresa não aceite o atestado, a trabalhadora deve procurar o Sindilimpe.

Se o trabalhador faltar e não apresentar atestado, ele perderá parte ou até mesmo o benefício todo. Confira as regras:

– 2 faltas sem justificativas – perde o dia;

– 3 faltas sem justificativas – perde metade do auxílio alimentação;

– 4 faltas sem justificativas – perde o auxílio alimentação daquele mês.

Fique atento! Se você faltar ao trabalho, justifique e entregue o atestado!

Reaproveitamento, homologação e aposentadoria

Outra conquista importante da negociação foi a questão do reaproveitamento. A cláusula que garantia que os trabalhadores serão reaproveitados caso a empresa abandone ou saia do contrato voltou.

A questão da homologação também foi melhorada para o trabalhador. Caso ele trabalhe no interior, ele não precisará mais vir até a sede do Sindilimpe, em Vitória, para fazer a homologação. Nesse caso, o homologador irá até o trabalhador.

Trabalhadores que estão perto de se aposentar também tiveram outra vitória. A partir de agora, quem está a um ano de se aposentar não pode ser demitido pela empresa. “É uma grande conquista porque muitas vezes o trabalhador que está perto de se aposentar já está com uma idade avançada e se for demitido tem dificuldades para conseguir um novo trabalho”, explicou a diretora do Sindilimpe, Evani Reis.

Clique aqui e curta o Facebook do Sindilimpe.

Nesta segunda-feira, 24, o Coletivo de Mulheres do Sindilimpe, com o apoio do Fórum de Mulheres do ES, reuniu mais de 70 mulheres, quase todas desempregadas, em frente à portaria da empresa Vital, em Vila Velha.

Elas reivindicaram que a empresa passe a contratar mulheres para atuar na limpeza pública do município, o que não vem ocorrendo. O grupo utilizou cartazes e um carro de som para chamar a atenção dos responsáveis pela empresa. Clique aqui e confira as imagens do ato.

As diretoras do Sindilimpe e membros do Coletivo e do Fórum de Mulheres Evani Santos e Madalena Garcia participaram do ato junto às mulheres. O presidente do Sindilimpe, Ailton Dias, o Zuzu, também marcou presença.

“As mulheres não são contratadas porque as empresas alegam que elas não conseguem realizar os serviços braçais como os homens. E a gente sabe também que é porque saímos em licença maternidade”, apontou a diretora Evani.

Após a manifestação, a empresa recebeu as mulheres e se comprometeu a analisar os currículos de todas elas.

Segundo Evani, o Coletivo de Mulheres manterá essa luta. “E não apenas em Vila Velha, mas em outros municípios também”, afirmou.

A manifestação também teve cobertura da imprensa. A rádio CBN cobriu o ato e ouviu as reclamações das mulheres. Confira o áudio da reportagem clicando aqui.

Se você tem interesse de participar do Coletivo de Mulheres do Sindilimpe entre em contato com o sindicato!

Clique aqui e confira as imagens do ato.

Atenção garis, coletores, jardineiros e outros trabalhadores que atuam na limpeza pública! O  Sindilimpe realiza nesta quinta-feira, 27, a assembleia para o início da Campanha Salarial de 2014.

Será às 17h30, no auditório do sindicato dos bancários, na rua Wilson Freitas, no centro de Vitória, próximo à Fafi e à Óticas Diniz.

Os pontos de pauta da assembleia são:

1 – Discussão e aprovação das reivindicações que serão encaminhadas aos patrões;

2 – Composição da Comissão de Negociação que vai representar os trabalhadores na negociação;

3 – Aprovação da contribuição sindical e da taxa confederativa estabelecida na convenção;

4 – Autorização para instalação de dissídio coletivo caso a negociação com os patrões não resolva as questões reivindicadas pelos trabalhadores;

Compareça! Participe! Sua presença fortalece a luta!

Atenção garis, jardineiros, trabalhadores da área da indústria. Atenção também trabalhadores do asseio e conservação.
Amanhã, quinta-feira, 11 de julho é um dia de luta! Os trabalhadores e trabalhadoras de todo o país vão paralisar as atividades na grande Greve Geral.

O Sindilimpe convoca você, convoca toda a categoria para participar deste movimento.

Diretores do sindicato estarão na base, nos quatro municípios da Grande Vitória para mobilizar a categoria. Entre também nessa luta pela redução da jornada de trabalho, em defesa do direito de greve, contra o projeto de Lei da Terceirização, contra a criminalização dos movimentos sociais, em defesa de 10% do orçamento da União para a saúde pública; e 10% do PIB para a educação pública e por outras reivindicações.

Onde Estamos

SEDE

Rua Carlos Alves, 111
Gurigica, Vitória/ES
CEP 29046-047

(27) 3434-4600

Veja no mapa
COLATINA

Travessa Corina, nº 13
Centro, Colatina/ES
CEP 29700-100

(27) 3721-5277

Veja no mapa
SÃO MATEUS

Av. Jones Santos Neves, nº 1250
Ribeirão, São Mateus/ES
CEP 29936-090

(27) 3767-3275

Veja no mapa
CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM

Rua Gerson Moura, nº 10, 2º andar
Bairro Vila Rica, Cachoeiro de
Itapemirim/ES - CEP 29301-260

(28) 3518-4935

Veja no mapa